Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um quarto para as nove

Para entreter uns minutos do dia

Um quarto para as nove

Para entreter uns minutos do dia

Fora de horas #34

Fui levar a segunda injeção de penicilina.

Pensava que era um processo rápido. Que chegava, entregava a credencial passada pela médica, que 5 minutos depois a enfermeira me chamava, eu baixava as calças, levava a maldita e seguia à minha vida. Na segunda feira já tinha levado uma e como não me deu nenhum pilipaque, estava descansada quanto a alergias.

Em vez de ser logo chamada espero 40 minutos para me chamarem.

Eu entretida pela internet no telemóvel mas a ver que não chamavam mais nenhuma senha de enfermaria, por isso sem perceber porque raio nunca mais me chamavam.

Decidi não reclamar. Uma coisa é quando o médico nos vai olhar para a garganta, outra completamente diferente é quando sabemos que a pessoa que nos vai atender nos vai lixar o lombo com uma agulha de 5 cm de comprimento e uma espessura inaceitável. A reclamação pode sempre fazer com que a enfermeira ache que fazer das nalgas de uma pessoa um jogo de dardos é uma boa ideia.

Então esperei caladinha e sempre sorridente.

Sou chamada e aparece uma senhora já na casa dos 60. Mais uma que todos os dias vê o dia da reforma adiado.

Entro e lá está a enfermeira toda simpática.

Dá-me a injeção. Pergunta-me se doeu e eu que nem por isso e lá volta a aparecer a outra senhora.

“olhe correu tão bem que nem se vê onde levou a injeção”

Depois olhou melhor.

“Ah mas está aqui…”

E vai de pôr um penso enorme.

 

Entretanto chego a casa e vou à casa de banho. Aproveito para ir ver o aspeto da coisa visto que fiquei com ambas as nádegas traumatizadas. É aí que dou conta que tenho a roupa interior com sangue.

Então o que aconteceu?

Como a senhora não via o local onde levei a injeção, e como tenho um sinal perto a senhora colocou o penso (gigante) completamente ao lado, protegendo o meu sinal e deixando o sitio onde levei a injeção a descoberto.

 

E eu depois tenho de pensar que realmente há coisas que só me acontecem a mim.